No Brasil o Dodge Magnum foi um carro produzido pela Chrysler do Brasil de 1979 à 1981, para a substituição dos Dodge Dart Gran Coupé, descontinuados desde 1975. Todo os Dodges V8 do Brasil, o Magnum incluído nesta definição, são baseados no Dodge Dart 1968-1969 dos estados Unidos da America (EUA), com carroceria chamados de A-Body e com o motor V8 de 318 polegadas cúbicas (nos EUA era considerado um modelo compacto).

Os modelos de Dodges V8 (coupe ou Sedan) de 1979 a 1981 (Dart, Charger R/T, Magnum e Le Baron, foram feitos novas frentes e traseiras a fim de ficarem semelhantes ao Modelo Dodge Dart Swinger 1970 a 1976 dos Estados Unidos(EUA), com um pequeno diferencial na grade frontal do Modelo Magnum (coupé) e LeBaron (Sedan) que possuíam uma Grade única, exclusiva (em fibra de vidro), fabricada apenas no Brasil a fim de parecerem mais requintados.
O ano/modelo 1979 ao 1981 vinha com rico acabamento fazendo questão do uso de cromados, nas calotas, para-choques, frisos, e detalhes. Seu acabamento também era considerado no Brasil como um grande requinte, tendo teto em vinil de várias cores, e opcionais como ar condicionado, câmbio automático, teto solar e pneus radiais. O espaço interno era semelhante, mas não maior, que no Dodge LeBaron, um Sedan com 4 portas com a mesma grade frontal, por ser um Coupé. Os Dodges Sedan (todos os V8 do Brasil, os modelos Dart Dart de Luxo e o LeBaron) eram por definição alguns centímetros mais altos que os coupés, isso se verifica claramente nos tamanhos dos vidros de para-brisas e de vigias. No fim de 1978, a Chrysler do Brasil já apresentava e começava a fabricar alguns modelos Dodge Magnum, já como modelo 1979.

Dados de quantidades: 1979=1883, 1980=221, 1981=138.

O Dodge Magnum foi o primeiro veículo a ser produzido com teto solar em linha de produção no país, relatos dizem que todo os itens que compõem o teto como, vidro, botão, acionamentos e motores foram trazidos pelos funcionários em viagens aos Estados Unidos e assim instalados nos carros na linha de produção. (O teto solar equipou apenas a linha Magnum, ele era elétrico e não manual como os encontrados em carros da década de 90 e outras empresas que faziam essas adaptações nos carros).

Propaganda do modelo com teto solar na época do lançamento

O tecido usado no interior na linha Magnum / Lebaron é por muitos tido como o mais luxuoso de todos. O mesmo tecido se encontra nos Polaras. 

No término de sua produção em 1981 já comprada pela VW alguns carros saíram com tecidos da própria linha VW.